Reflexões sobre o princípio da intangibilidade da coisa julgada e sua relativização